Sem dar a mãe como exemplo

Na universidade eu estagiei no “Setor de apoio ao usuário” do CPD. Os telefonemas renderiam um texto à parte sobre as dificuldades das pessoas diante das novas tecnologias.

Eu nunca deixei de atender alguém. As dúvidas eram variadas, algumas ganhavam de qualquer exercício de imaginação do que poderia sair errado em, por exemplo, imprimir um envelope. Aprendi naquela época a nunca subestimar a capacidade do usuário em se perder, nem a superestimar a facilidade de uso do desenho que eu trabalhava no momento.

Pessoas tem pressa e são focadas no objetivo não na ferramenta. E isso acontece a todos.

Um dos causos que costumo contar é de um médico que queria fazer um screensaver de uma operação de estômago (??!!). E ele estava encafifado que as fotos ficavam grandes demais e ele não conseguia diminuí-las no programa. Bom, resumindo o relato ele usava a LUPA para diminuir as imagens. Expliquei a ele que a lupa apenas tornava as coisa maiores ou menores visualmente como afastar ou aproximar um objeto – usava uma folha A4 para demonstrar.

Achei que ele tinha entendido o recado, até que ele ligou, apareceu de novo e apareceu uma terceira vez… Eu confesso que não aguentava mais ver aquelas fotos de tripas e entranhas e, na última vez, fugi. Outro cara teve que atendê-lo (e usou o mesmo subterfugio de aproximar e afastar a folha A4).

Resumindo. Não acho que mães sejam exemplo de pessoas que não sabem mexer com tecnologia. Eu sou måe! Kari Byron é mãe! Se querem exemplos de pessoas que não sabem mexer com tecnologia, peguem alguém de uma profissão já estabelecida, proeminente. Pegue um senhor, homem-branco-meiaidade, dessa profissão. Esses caras geralmente acham que sabem tudo e, o que não sabem, ou não existe, ou não presta ou eles podem pagar para alguém fazer por eles. Eles são o publico exemplo de alguém que não saca, e não quer sacar, nada de tecnologia. Eles (pensam que) são bons demais e acima disso tudo.

Então, da próxima vez, não dê a mãe como exemplo. Ser mãe significa, entre tantas outras coisas, aprender uma série de coisas novas todo o dia.