Manual para sabotadores

Quem já não ouviu a frase: -“Reuniões nunca são demais”. Ou teve um colega turrão que todos acatavam suas ideias absurdas para que ele calasse a boca?

Ou aquele comitê que fez aquele formulário legal de três vias, que você tem que preencher com dados que desconhece, imprimir, colher a assinatura do seu chefe, do chefe do seu chefe e do diretor do setor responsável para poder participar?

Ou o colega novo que chegou com aquela metodologia ultra-revolucionária, que a alta direção adorou e agora você, antes de apresentar qualquer o projeto inovador tem que preencher cinco artefatos (como são chamados aqueles documentos em word), pedindo informações totalmente irrelevantes, com termos como: Revisor barista de contrato? E que apenas uma pessoa na organização inteira entende e domina? O próprio cara que propôs?

Cuidado! Você pode estar de frente com um SABOTADOR!

Em 1944 – em plena Segunda Guerra – o US Strategic Services, escreveu um documento para seus agentes nos países do Eixo explicando como sabotar as organizações inimigas nos quais estavam infiltrados.

O Sabotage Field Manual (manual de Sabotagem de Campo) é cheio de pérolas que fariam os olhos de muitos dos maníacos citados acima brilharem, olha só:

  • Insista em fazer tudo pelos “canais oficiais”. Não permita atalhos para tomadas de decisão.
  • Faça discursos. Fale muito e durante muito tempo. Ilustre seu ponto de vista com anedotas e causos pessoais. Não exite em exibir seu patriotismo (ou amor à camisa?);
  • Quando possível, delegue o que realmente importa a comissões para “futuro estudo e consideração”. Lembre de fazer os comitês os maiores possíveis, incluindo o maior número de pessoas, nunca menos que cinco;
  • Traga a baila assuntos irrelevantes sempre que possível;
  • Regateie formulações precisas de comunicações, resoluções.
  • Volte a questões decididas na última reunião e tente reabrir o debate;
  • Advogue a cautela.  Diga a seus colegas para serem “razoáveis” e evitar a pressa que pode resultar em embaraços ou dificuldades mais tarde;
  • Se preocupe com a autoria de cada decisão. Levantar a questão de saber se tal ação está dentro da jurisdição do grupo ou se poderia entrar em conflito com a política de algum alto escalão;
  • Seja irritadiço e irascível quanto possível, sem ficar em apuros;
  • Dê explicações longas e incompreensíveis quando questionado;
  • Reporte relatos imaginários baseados em impressões.

capa do manual

Não deixe de ler, não deixe de imprimir de deixar na mesa daquele seu colega legal. Afinal, um dia o sabotador pode ser você 😉